Resultado do Censo Gamer 2012

Há alguns dias atrás foram divulgados alguns resultados da pesquisa “Censo Gamer” .  A pesquisa, noticiada aqui, tinha como objetivo reunir dados sobre os hábitos de consumo do jogador brasileiro e analisar o mercado nacional. Muitas pessoas desconfiaram da intenção da pesquisa, principalmente após as polêmicas envolvendo Moacyr Alves Jr. e o Steam, acreditando que seria uma forma de mapear a importação de jogos (uma das perguntas era se você importava jogos e quais sites você utilizava para isso). Segue um infográfico resumindo as principais informações e um link para o texto da empresa responsável, que revela alguns dados a mais.

Primeiro Censo nacional mapeia o comportamento do jogador e o mercado de videogames no Brasil (Insidecomm)

Marcus Oliveira, do KotakuBR, levantou uma série de questões ao redor desses dados,  já que alguns números são bem duvidosos, como a baixa quantidade relatada de pessoas que compram jogos do camelô. Fica claro que a amostra obtida não reflete de forma correta a população brasileira como um todo. Outra escolha “estranha” é o fato de importação estar sob a seção de pirataria. Recomendo conferirem o texto do Marcus:

O que eles falam sobre o gamer nas pesquisas não é sério (KotakuBR)

Comments (5)

  • Henrique says:

    A pesquisa parece interessante até ter uns valores muito estranhos que colocam em xeque todos os outros.
    Seria realmente bom ter uma pesquisa desse estilo, só que séria e bem feita.

    • Heitor says:

      esse censo ta salvando minha vida, cara!!!

  • Samuel says:

    Uma dúvida “técnica”: não é inadequado chamar de “censo” uma pesquisa desse tipo? Que eu saiba censo é um levantamento (pretensamente) total de dados para uma dada população. Esses dados, no entanto, são referentes a apenas uma amostra — aliás, pequena e possivelmente mal escolhida caso o objetivo fosse representar bem o gamer brasileiro 😛

  • RafaelFS says:

    Acho que é inadequado chamar de censo sim, mas fortalece o marketing e não deve ter nada que impeça a utilização do termo, apesar dele ser um pouco enganoso. E concordo com o Henrique, era preciso uma pesquisa séria e bem feita sobre o assunto, sabe-se muito pouco sobre o mercado nacional. Especialmente de uma que não esteja cercada de interesses tão duvidosos.